Acidentes de Trabalho


Tenho andado a pensar nisto e, muito sinceramente, ... nããããããã!
Não tenho pensado nada! Só me apeteceu dizer que sim, para causar boa impressão.
(muito embora ache que, para isso, já vou um bocado tarde; tipo... desde 12 de Novembro...!)

Na verdade, ocorreu-me que essa coisa dos acidentes de trabalho (por muito séria que seja)...
não é para todos!
Não, senhor!... É só para alguns, neste caso, pouco afortunados.

No topo da lista estão - como se sabe - os trabalhos ditos mais pesados, como os que são relacionados com a construção civil, os estaleiros navais, e empreitadas afins.
Essas profissões, sim, são normalmente bafejadas pelo infortúnio dos acidentes de trabalho.
Mas - atenção - esse facto pode, ocasionalmente, até nem ser mau de todo.

Se a malta se quiser baldar um diazito ou outro a "acartar" uns baldes massa, sempre pode alegar que levou com um "tijolo d'onze" mesmo em cima da unha do dedo gordo do pé esquerdo. Ora... com meia dúzia de falinhas mansas lá se safa o servente a fazer o reboco de umas quantas paredes.
Então e o choque eléctrico durante a soldadura? Por vezes, não se vê bem na pele... mas aleija que se farta. Por isso, há-de haver por aí um aprendiz de soldador com uma lábiazita um "coche" acima da média, que também gazete à conta de uma petazinha bem metida, do tipo «Ó patrão... Não; não se vê nada! Mas acredite que dói que não se pode, patrão! E olhe aqui as mãozinhas a tremer!... Ó pra elas a tremer... ó!».

Tudo bem que se tenha de "vergar a mola" mais vezes, mais horas e com mais perigos... mas a gazeta com uma boa justificação também se torna - assim, de vez em quando - um dado adquirido.
Já quem não se safa tão facilmente é a malta dos outros trabalhos. Ah pois é...

Tomemos como exemplo a malta dos escritórios.

O que é, afinal, um acidente de trabalho num escritório?
É caírem uns dossiers?... É a cadeira da secretária perder o encosto do braço direito?... Só pode.
Sim... e para ser um daqueles acidentes de trabalho do comamdro (leia-se, quando há, de facto, sangue) só mesmo quando a malta agrafa um dedo ou faz um corte com uma folha de papel, o que - temos de admitir - é coisa mesmo muito amaricada...

Ou seja, isto de ter acidentes de trabalho "decentes" (coisa "de homem", "de barba rija" e tal...) não está ao alcance de toda a gente e, muito menos, da malta das ditas profissões liberais, que sentam a peidola à frente do computador às nove e pouco da manhã e só se levanta lá para as cinco e tal da tarde.
Esses, lá terão de continuar a inventar gripes e a 5ª morte sempre do mesmo familiar para se livrar... sei lá... de um balancete ou dos relatórios de produtividade.

Vá... temos de admitir... poder agora dizer que um "tijolo de sete" caiu no cocuruto da cabeça mesmo no início da formatação do documento Excel com os gráficos do último semestre... Isso é que era, carago!
Era coisa convincente!...


Mas não. Lá vai o Tio Zé Carlos ter de morrer outra vez...

3 inSensinho(s) assim...:

Didas disse...

Eu digo-te o que é um acidente de trabalho num escritório. É ter um chefe aparvalhado de todo e ficar tolinho em pouco tempo só de o aturar.

'jinhos!

K@ disse...

Carissima:...

...como eu a compreendo...!

Solteirão disse...

Acidente de trabalho teve o gajo que eu vi à hora de alomoço, que andou durante uma semana com um prego de 10cm espetado na cabeça...sem se aperceber!!!!

Cegou a ir ao dentista; são as gengivas, deverá ter dito ele, doem-me. Uhm, não - disse o dentista - os seus dentes estão óptimos, o seu problema é este prego aqui de 10cm.